sábado, 16 de outubro de 2010

Wilson Simonal


Senti mal-estar ao assistir ao documentário sobre Wilson Simonal. Fiquei, deveras, arrasada.

Tudo foi muito cruel. Mostra-se a estúpida ascenção e decadência de um negro de sucesso jamais visto no Brasil

Seu sucesso estrondoso incomodou muita gente.Um garoto pobre, ainda por cima negro ,fez 30 mil pessoas no maracanãzinho cantar e dançar? Inadimíssivel tal proeza .

A fama na verdade o deixou deslumbrado.Achava-se acima do bem e do mal. A vaidade excessiva o empobreceu como pessoa. Era o "rei da cocada preta", delarou Nelson Mota.

Sua maneira prepotente de agir, falar, era prato cheio para narizes torcidos e retorcidos.Difícil aceitar plenamente um descente de Zumbi nos palcos e no meio televisivo.

A ditadura militar escolhera finalmente seu informante. O rei da pilantragem foi preso, e sua morte lenta se pré-anunciava

Segundo depoimento de Chico Anísio, Simonal não foi um delator. Ninguém até hoje se diz prejudicado pelo cantor.

Há o caso do seu contador.Houve excessos, é verdade. Uso de poder, mas nada que o fizesse delator de companheiros.

Esquecido, morreu de cirrose hepática.

Sua segunda esposa descreve seu orgulho ao assistir seus filhos cantar: " Ele os via atrás de pilastras.Chorava muito. Não queria atrapalhar a vida dos seus meninos. "

Simona, o inventor do patropi, morreu de desgosto, achando-se um verme, inimigo do povo brasileiro.

Uma coisa é certa, a mídia com suas armas convincentes, arruinaram a vida de um grande artista. Sua força é capaz de engradecer e matar um ídolo.

Pior de tudo é que ninguém ousou sequer saber a sua verdade. Não lhe deram chance de defesa. O condenaram simplesmente.

2 comentários:

BomBlog News disse...

Olá amiga visitei seu blog para te seguir, achei muito bom e variado. Vou estar sempre ligado nele.Felicidades.

Sanbahia disse...

Grata por visitar e seguir meu blog. Seja bem-vinda.
Um grande abraço.