domingo, 7 de novembro de 2010

"Rodeio de Gordas"


-Nêga gordaaaaaaaaa.

Virei-me querendo matar . Quanta ousadia! Mesmo sabendo do meu excesso de peso não admitia ser chamada de gorda. Ofensa demais para quem estava na flor da idade.

Cheia das vaidades e hormônios ,minha adolescência foi cheia de"ãos": pernão, peitão, e o nome de batismo em homenagem a uma atriz famosa dos anos 50,Sandra Dee, transformou-se para amigos e familiares SANDRÃO!

Meu lindo nome, tão bem escolhido pelo meu pai, fã da atriz loira, de formas generosas, provocantes sendo motivo de chacota.

A culpa era da adolescente gorda. Quem mandou não se conter diante das coca-colas, brigadeiros,e a preguiça crescente diante das atividades físicas?

O mais triste para mim era participar das brincadeiras que exigiam um bom preparo físico. No pega-pega, um verdadeiro desastre, era a primeira que agarravam. Correr me dava uma canseira! Imediatamente, a brincadeira acabava para mim.

Pular corda ? Outra tristeza. Embora reparasse que havia uma pontinha de maldade da turminha. Era a gordinha entrar para a corda acelerar.

Na escola , raramente era escalada para jogar voleiboll, basquete. Diziam que não era pelo fato do excesso de peso. Na realidade Sandão era ruim em qualquer esporte.

Não nasci para ser esportista. meu negócio era Artes.

Só que até então, entregue ao desmazelo dos constantes âos, a neguinha se recolhia, achava-se a mais infeliz das pessoas.

Na verdade, a baianinha não era tão gorda assim. Mas, o estereótipo da menina com tudo no lugar, bonitinho, fugia da minha realidade.

O responsável maior era os hormônios do que excessos nas guloseimas.

Era só uma fase que passaria. Só que para a menina , o estigma de gorda já estava impregnada em seu ser.

Estou a pensar como seria se na minha época tivesse o tal "Rodeio de Gordas".

O rodeio , preconceituoso, foi criado por universitários da UNEP. É uma competição covarde, onde os universitários pulam sobre estudantes obesas.

Um caso de bullying descaradamente exposto entre universitários que se diz esclarecidos. Usam e abusam de suas presas como peões em suas arenas .

Já passou da hora de acabar com a discriminação exarcebada em nosso país.Tudo tem limites.

Temos direito de ser gordinhas, temos o direito de envelhecer, temos direito de sermos nordestinos, negros, amarelos, ou sei lá o quê.

Denunciemos, não mais nos calemos. Precisamos nos defender dessa imundicie que assola e destrói os valores morais em nosso Brasil.

Sinto-me enojada com mais esse manifesto podre e decadente em meu país.

Nossa Pátria Mãe Gentil não merece filhos que sujam seu nome e usam o preconceito como arma de poder.

Não se deve ofender,humilhar,nem tripudiar com as escolhas de nenhum cidadão.

Minhas queridas leitoras, a Sandrão, ficou no passado. Hoje só os mais íntimos me chamam assim. Acho saudosista. Não 'desgosto". Dou boas risadas. Afinal de contas a Sandrão perde para a Sandrinha. Acho que encolhi. ( risos)





4 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito Sandra! Daí das montanhas de Ouro Branco dando seu recado certeiro
Abraços,
Joana Martiuns

Sanbahia disse...

Joana, grata por sua visita em meu blog. Volte sempre. Será sempre bem-vinda.
Não devemos nos calar diante das injustiças da vida. É nosso dever como cidadãs opinar.
Um grande abraço.

Eduardo disse...

Vendo sua as fotos de sua dança, ouso falar em exagero, pois sou fã de mulheres encorpadas e você, absolutamente, foge do esteriótipo...se um dia foi Sandrão, hoje é Sandrinha...rsrsrsrsrs ( não conheci, mas a primeira parecia mais interessante). Brincadeiras a parte, e sem falar sério...você mulheres, jamais serão gordas ou magras, você terão sempre um excesso ou não de gostosura e aconchego, vale daí ter o "homem" gosto por vocês ou não...quem não ama uma mulher, jamais poderá sentir e descobrir o que é um colo feminino bem fofo quando se está com problemas. Um grande beijo....amei o Blog

Sanbahia disse...

Eduardo, sendo Sandrão ou Sandrinha , não importa, o negócio é aceitar nosso corpo como ele é.
Maravilhoso seu comentário. Nós mulheres, agradecemos.
Volte mais para opinar. Gostei muito.
Grande abraço.