domingo, 30 de agosto de 2009

Amor e uma cabana


O amor é lindo ! Basta tão pouco para ser feliz. Como dizem por ai, um amor e uma cabana. Nada mais romântico.

Dizem também que na prática isso não funciona. Principalmente, se essa situação se prolongar. Haja amor para sustentar as faltas materiais.

Meninas, eu e o maridão nos casamos sem eira nem beira. Não tínhamos nadinha dessa vida. Até desempregado o amorzão, estava. Que desespero!

Então ,só nos restava, graças a Deus, o nosso imenso e verdadeiro AMOR.

Coisa mais linda. Oh, paixão , meu Deus! Fico até emocionada.

Nos casamos no Carrapichel , cidadezinha próxima à Bonfim. Não teve casório na igreja, embora fosse um sonho meu, somente realizado uma ano depois em Itaúna, MG.

Na época o padre da cidade nos disse que não éramos casados, sim amaziados! Pra mim isso saiu como um palavrão. Tolice, credo!

Mas retornando ao início minguado...

Os pombinhos casaram apaixonadíissimo e sem um tostão no bolso.A lua de mel foi presente de meu irmão.

Tadinho de nós, achamos o máximo passarmos a nossa primeira noite no Hotel Vitória, o melhor da minha cidade.

Tristeza foi o casalzinho se separar poucos dias depois.

Epa, não é separaração no papel ,não. O maridão foi para Minas atrás de emprego.

A bichinha aqui foi para Ilhéus aguardar o chamado do seu amado.

Amargurei três meses de espera que doía n"alma! Oh, desespero, na minha vida! Quanta saudade. Coração em frangalhos.. Ohhhhhhhhhh!

Namorávamos por telefone e cartas.

Amigas do coração,vou lhes dizer uma coisa importante. O danado do maridão não avisou a família sobre nosso enlace!

Chegou em casa com aliança no dedo esquerdo e com urgência de emprego para sustentar a mulher.

Mineiro transloucado, e cá pra nós, doidinho pela baianinha cor de canela. Vixe Maria! Uai trem bom da gota serena!

Depois dos intermináveis três meses nos reencontramos.

Foi uma coisa inexplicável quando nos abraçamos.Parecia que aqueles três meses fora uma eternidade. Amor demais da conta, minha gente maravilhosa! Fiquei toda quebrada e feliz da vida naquele inesquecível reencontro!

Oxe, até hoje ainda estou me refazendo de tanto excesso de amor.

E depois tem gente que diz por ai que amor e uma cabana não dá certo!

Mentirosossssssss.






quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Orai por nobiles


Religião, é um assunto delicado. É melhor, como dizem, não discutir.

Cada um tem sua crença. E a isso devemos respeito.

Sou avessa a discutir religiões. Costumo dizer que sempre busco nas que conheço, algo que me favoreça. Faça-me uma pessoa melhor.

Estamos num momento delicado. Procura-se um Salvador para o Planeta a qualquer custo.

O medo, a violência exacerbada, a falta de respeito pelo outro, a soberba e poder materiais são os que ditam as regras.

Alguma religiões , infelizmente, aproveitam-se de seus seguidores ,e, tiram-lhes dinheiro fácil para construções de templos majestosos, e mansões particulares, dignas de marajás.

Esse mundinho de ilusões e futilidades desses "senhores", não condiz, em momento algum com as palavras do evangelho.

Dizem que não devemos julgar quem quer que seja por seus atos. Todos têm seu livre arbítrio para agir como quiser.

Só que esse livre arbítrio, muitas vezes, cerca-se de absurdos sem precedentes. Dai, fica difícil nos calarmos.

Não dá para entender tanta falta de ética.

É imoral usarem a fé de seus seguidores para os depenarem. Sem falar que esses seguidores, no encantamento do convencimento da palavra , deixam-se guiar por falsas promessas ou quem sabe, o que lhes é mais viável, milagres.

Os que se dizem"senhores" da palavra , as interpreta, na sua maioria, conforme os seus anseios pessoais.

Nosso Deus com certeza anda inquieto. Abisma-se com tanta sem vergonhice.

Assusta-me essa grande distorção ao Cristo que nasceu, morreu , para a salvação da humanidade.

Usam seu ato de amor como pano de fundo para tamparem seus deslizes.

Cerquemos, pois, nossos corações, com a paz, misericórdia e paciência do Senhor para nos desapegarmos das malidicências terrenas, e que, infelizmente, não temos o poder de mudar.

Afastemos o nosso ser do sentimento da repulsa, pelos que enganam os mais fracos.

Deixemos os "senhores" em seus templos e façamos o bem sem saber a quem.

Sejamos, enfim, apenas filhos do Pai , da Mãe Divina, do Filho, e do Espírito Santo.

Estejamos sempre em paz com nossos princípios .E a favor do nosso próximo sem discriminações , nem preconceitos.

Cerquemos-nos de esperança!

Nada está perdido se existe fé na energia vital que emana do Pai e nos faz seres próximos da luz.

Orai por nobiles, Pai do Céu !

Cuidai da nossa Mãe Terra, e livrai-a dos desmazelo de tantos que se dizem acima do bem e do mal!

Seja feita a sua vontade.

Amém!
















terça-feira, 25 de agosto de 2009

Mulher saradona


Fazer exercício físico é necessário. Não podemos ficar em casa deixando o tempo passar e o sedentarismo tomar conta de nossas vidas.

Arregacemos as mangas e tenhamos coragem! Vamos malha mulherada- quem me ouve falar assim se engana completamente . A mulherzinha aqui detesta academia!

Em Ouro Branco existe uma variação de temperatura danada.Temos que estar atentas para que o frio e o calor não nos pegue de surpresa.

Só que por mais que nos policiemos a variação no clima nos surpreende.

A bobona aqui, impensadamente, resolveu entrar na academia pela manhã.Sentiram o problemão que arrumei pra mim?

Para começar , dona de casa não pode malhar pela manhã.Sei que não posso generalizar, afinal de contas, existe mulheres que não têm problema nenhum em acordar cedo, malhar e alegremente descansadas- não sei como conseguem, ufa!- fazer , após as atividades físicas,os trabalhos do lar.(super mulheres, aplaudo-as)

Vejam só que enrascada me meti! Existem várias coisas que complicam minha ida pela manhã a academia.

Primeiro grande empecilho é o clima da cidade. Como boa baiana, detesto frio e adoro uma boa cama!

Segundo, malhar pra mim é um suplicio, nunca gostei. Nos tempos de colégio driblava as aulas de Educação Física de qualquer maneira. Não sei como não perdi o ano por faltas na matéria.

Gente tenho que tomar vergonha na cara. O que custa levantar mais cedo e fazer algo para minha saúde!

Oxe, não funciono pela manhã de maneira nenhuma. Até tento, mas não consigo! É contra meus princípios baianês. Não posso decepcionar minhas origens!

Agora, minhas amigas, o mais chato é aguentar a cara do maridão. O meu lindo amor, desiludiu-se competamente comigo.. Adeus sonho de ter sua mulherzinha saradona!

Ah, sinto muito benzinho, não posso fazer nada. Não posso contrariar de maneira nenhuma meu ser tão calmo e avesso a essas atividades físicas tão necessárias, mais tão desgastantes!

Acho que vou tentar mudar o horário para a tarde. Será? Oh tormento! Tenho que malhar mesmo?

Vocês conseguem entender esse meu martírio?

Ai...., não nasci para ser mulher saradona.

Oxe, nadinha neste mundo de meu Deus vai me tirar da cama antes das nove da manhã!

Não to louca!

Acordar cedo....jamais!

Ai que desânimo!

Sinceramente, vocês tão achando um absurdo, né?

Mulé, tome tenência, calce seu tênis, vista sua malha e vá fazer atividade física.

Affe, credo...uai, trem preguiçoso. Coisa feia!

Amigas, por favor, não me julguem, viu?

Vou tentar caminhada, quem sabe?




quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Ronco


Eu não aguentava mais aquele barulho. Rolava na cama sem parar.

Tapar os ouvidos era bobagem.

Até simpatias já havia feito. Nada resolvia o meu problema.

Parece que durmo com uma motosserra ao meu lado.

Cruz credo! Nada neste mundo é capaz de parar com o ronco do meu adorável maridinho!

Sei que a culpa não é do roncador! É defeito de fabricação.

Mas e dai? Como fico nessa história toda? Totalmente desesperada, ensaidecida e.....desequilibrada!

Faço uma força danada para não perder a minha sanidade.

Sempre saio do quarto de madrugada, com meu travesseiro debaixo do braço, para não despedaçar o inocente do meu marido!

Abandono-o no nosso leito aconchegante, perfumado. Tão cheio de carinho, e....apnéias!

Meu Deus! Apnéia!?

Vocês não sabem como é triste vê-lo perder a respiração por segundos!

Houve noites em que acordava sobressaltada, com o coração aos pulos - "haja coração para tanto susto!"

Meu maridão retornava de sua apnéia com duplos sons de motosserras !

Verificava, chegando meu rosto próximo ao dele ,se ele não havia partido dessa para outra vida.

Affe, Virgem Santíssima, arrepiei-me, desconjuro....nem pensar numa coisa dessas!

Acordava-o. Queria ter certeza que tudo estava bem.

Custei a me acostumar com esses repentes no ronco de meu maridão.

Já desisti das simpatias.

A última delas era um inocente assobio.

Oxe, cansei de assobiar. To cansada, nada adianta.( to desoladíssima, oh!) O negócio é abandonar meu leito mesmo.

Meninas, sou uma sofredora!

Que noites terríveis!

Será se ainda terei a alegria de vê-lo livre dessa roncação!

Escutem, vocês por acaso sabem de uma nova simpatia, reza, qualquer coisa para melhorar essa minha situação!

Genteeeeeeeee, to nervosa.

Acho que hoje a noite vou, vou.... Não vou fazer nada, entenderam?







quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A queda


Sinto-me um pouco dolorida ainda! Meu corpo tá com peninha dele mesmo. Coitado! Despreparo ou a destemperança dos anos?

Não é bem assim que me sinto. Sei muito bem da minha desantenção.

Sou mesmo uma pessoa sem saber a sua direção exata no planeta. Ah, falei boagem. To filosofando e não indo direto ao assunto.

Tenho que acabar com esses meus rodeios. Ser mais clara, objetiva.

Leitoras amigas, sou uma atroada e...pronto!

Ontem a noite aconteceu algo muito desagradável.

Estava a destranbilhada indo a uma reunião, atrasada, como sempre,- para variar!

Faço tudo para acertar meus horários, mas o relógio, claro, caminha muito adiante me desorganizando a vida!

Com tudo isso, resta-me uma pressa infernal que me deixa tremendamente agoniada.

Não sei fazer nada com pressa, minha amigas. Audem-me por favor!

Meu cérebro é descansadíssimo. Completamente na dele.

Azar para a pobre coitada aqui!

Se vou contra seus desejos ele raivosamene se vinga.

E quem sofre as consequências é o meu corpo físico.

Dei-me mal com mais um atraso.

Caminhando há passos rápidos fui repentinamente arremessada em um monte de lixo e uma cerca de arame farpado.

Meu Deus! Foi tudo muito rápido!

Senti meu corpo indo, indo, e caindo simplesmente.

O pior é que não pude fazer nada!

De olhos arregalado me vi em companhia de lixo com uma das mãos segurando a cerca de arame farpado

Pensei na mesma hora " dessa vez me esfolei todinha"

Levantei rápido, suando e assustada com o que havia acontecido.

Jurava que era mentira!

Não acreditava que depois de "véia" tinha levado uma baita queda.

Ei, psiu, podem rir. Eu deixo!

Nunca vi cena mais triste.....e deprimente.Affe!?

Sabem que só arranhei a mão no arame farpado!

Tive uma sorte danada.

Bom mesmo é que ninguém viu a coitada aqui se estrebuchar no chão!

Rsrsrsrsrsrs!

Tenho que rir.

Oxe, vou cair mais não.

Tenho que fazer tudo com muita calma.

Azar se vou me atrasar!

Ai...., tá me doendo o corpo todinho!

Acho que vou deitar.

Até o próximo texto, viu?



domingo, 16 de agosto de 2009

Solidariedade

A intensidade de vivermos melhor está em trabalharmos o desapego. Em olharmos o outro por um prisma que não seja o do poder e soberba.

Talvez seja piegas argumentar diante de fatos corriquieros e aconselhar com palavras e frases pré-anunciadas em ditados populares.

Não somos suficientes sábios para resolver problemas de ninguém. Em primeiro lugar, não os sentimos, ligo fica difícil sermos doutores em resolver situações.

Precisamos, sim, antes de tudo aprendermos a ser solidários.E exercer a verdadeira solidariedade requer um exercício de cidadania sem precedentes.

Ser cidadão é se desapropriar das futilidades, e acima de tudo fazer o bem sem esperar nenhum tipo de recompensa.

Infelizmente o jogo de interesses está acima de qualquer tipo de manisfestação solidária.

Vivemos num mundo extremamente capitalista e competitivo.Perdemos completamente o respeito pelo outro.

Viramos máquinas de fazer dinheiro.

Somos rôbos em um mercado frio e prepotente, repleto de líderes mal preparados e mesquinhos.

Na sua grande maioria se sentem deuses no seu universo podre, alimentados pela mediocriadade daqueles que os endeusam e se curvam aos seus desejos.

Os valores morais ficaram em segundo ou terceiro planos - isso se existirem ainda tais valores!

É uma pena que o mundo mais e mais se envolva nesse autoritarismo irritante.

A falha está em nos aliciarmos a um sistema de carrascos, promovidos ao subemprego e alimentando os cofres dos crápulas engravatados viciados em charutos cubanos e uísque escocês.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Tanatologia


Li um artigo num jornal de Minas, que a maioria dos médicos, principalmente os mais novos, não estão preparados para lidar com a morte de seus pacientes. Devido a tal despreparo muitos deles se drogam, entram em depressão e alguns em desespero, suicidam-se.

Esse era um assunto que sempre me vinha a mente. Uma vez indaguei a meu irmão, médico anestesista, e ele me respondeu que com o tempo você se acostuma aos óbitos.

Claro, que isso depende do estado emocional do médico e sua maneira de encarar a morte, penso eu.

A vossa amiguinha aqui, por exemplo, nunquinha nesta vida, seria médica. Qualquer pequena complicação em meus pacientes seria socorrida pelos colegas, ou por quem estivesse por perto. E se essa complicação aumentasse com certeza bateria as botas antes dos pacientes.

Lidar com a morte não é nada fácil. A palavra já causa desconforto.

Deveriam ter inventado outro nome, ou então nome nenhum.


A morte não é o vazio, o final, o inexplicável? Pra que nome?

Estou a a perder tempo em tentar desfazer o que está no nosso vocabulário há tantos anos!

Dizem que a morte existe apenas no corpo físico. E dados levantados em pessoas que experenciaram o EQM (Experiência de Quase-Morte), relatam que caminharam em intermináveis túneis.

Tai , melhor dizer que "vamos para túneis".

Nãaaaaaaaaaao, tenho claustrofobia! Nem pensar. Se continuar a falar nisso morro agorinha mesmo de p-a-v-o-r! Já estou sentindo falta de ar. Que conversa mais sem pé nem cabeça.

Sandra, querida! Por favor, pare de falar de morte! Você escreve tanta coisa engraçada do seu dia dia!

To, deveras chateda, Dessa vez seu texto me deixou malzinha, viu?

........(paro de digitar. Penso um pouco ).

( Estou a escutar meu subconsciente reclamar. Dou um leve suspiro. Volto ás teclas)

Amigas, não mais me demorarei nesse texto.

( Dou razão ao meu subconsciente. Mas antes dou o troco em mim mesma)

Sandra,minha fiel parceirinha, escute só, não me atrapalhe no momento que estou escrevendo. A morte, queridíssima, faz parte da vida, não podemos fugir dela, não! Você tem um medo terrível da morte que eu sei, viu?

Escute bem, minha linda, eu escrevi esse texto por causa daquele artigo que li no jornal. O problema é que me estendi e não disse o mais importante.

Agora você se acalme e deixe que eu termine o meu raciocínio.

Minhas amigas , tive que interromper um pouco o texto por motivos óbvios, mas agora volto para lhes explicar o motivo maior de meu empenho em falar sobre a dificuldade segundo o artigo que li, dos novos médicos lidarem com a morte.

Em algumas faculdades de medicina existem cursos abrangentes de Tanatologia.

Tanatologia, segundo a wlkiplédia é uma parte da medicina legal que estuda a morte, logo para um conhecimento mais avançado, seria interessante, aos novos médicos, a procura por esses cursos para os auxíliar a um melhor convívio com a morte.

Psiu,Sandrinha, acabou ? Explicou? Está satisfeita?

......( não dou resposta, já acabei mesmo)

Amigas, de repente me deu uma vontade de estudar um pouco de Tanatologia!

Geente, isso é para profissionais de saúde!

Ah, acredito
que em toda regra há excessões.

Pois é sabido do grande percentual de pessoas que " necessitam"( euzinha, estou incluidíssima)melhorar o seu contato com tal realidade!

Ninguém fica para semente mesmo.

Como?

Túnel?

Ta louca!

Tchauzinho.

O que você falou?

Tanatologia?

......,quero falar mais disso não.

Chega de me atazanarrrrrrrrrr! Credo!

sábado, 1 de agosto de 2009

Estradas das Gerais


As estradas das Gerais são mesmo perigosas. Nunca vi tantas curvas e despenhadeiros. Cruzes!

Resultado de tudo isso são os acidentes. E na maioria, com vítimas fatais.

A Estrada Real é um cartão postal para os mineiros. Seu circuito nas Gerais abrange 162 cidades. Algumas dessas estradas parecem fazer zigue zagues contínuos, tamanho são ás benditas curvas.

Sempre que vou a Ouro Preto fico zonzinha de tudo.

Ora, a gente não sabe se tá indo ou voltando!

São curvas emparelhadas . Não dá pra aliviar nem um tiquinho. Afe, São Cristovão , protegei-nos!

Meu labirinto fica transtornado. Nunca vi tanto mal estar!

O maridão pede que olhe a paisagem para despistar. Não consigo . Tudo roda a meu redor.

Nem quando misturava bebidas era tão penoso!

Penoso, também, são minhas idas á BH. Fico tensa á viagem toda. Sem falar na minha ânsia de chegar logo a meu destino.

Claro que tem um porém super contribuidor para essa minha tensão e ansiedade. O maridão adora correr, e não gosta que sua mulherzinha querida, reclame.Fico a viagem inteirinha calada com a visão fixa na estrada, carros, e claro, nas terríveis curvas.

São 100 Km que parecem 1.000!

Meninas, para piorar minha ansiedade, tem" O Viaduto das Almas. "

Nem preciso explicar o porquê do nome.

Antes de atravessá-lo rezo fervorosamente para todas as almas. Ops, valei-me! Para todos os santos, para que nossa passagem seja segura.

Na minha Bahia as estradas são intermináveis retas. Dá ate sono e preguiça de tanta mansidão. Quanta diferença.

Acho que depois das estradas de Minas fiquei traumatizada. Faço de tudo para não arredar pé de casa. Não quero me arriscar.

Bom mesmo é o acolhimento do lar.

Oxe?

Quê?

Sou frouxa mesmo.

E quer saber? Todo esse meu cuidado ainda é pouco!